Fundação SM
Passe o mouse sobre
as fotos e conheça os
educadores

Angela Kleiman
Apresentação
Angela Kleiman aborda o tema da leitura e letramento, mostrando como no contexto escolar, letramento, alfabetização, leitura e escrita são conceitos inter-relacionados.
Angela Kleiman
PhD em Linguística pela University of Illinois, fez pós-doutorado no Center for the Study of Reading na University of Illinois e na University. of Georgia. Atualmente é professora titular e colaboradora aposentada na UNICAMP.
Regina Zilberman
A ação mediadora no ensino de leitura
Regina Zilberman pressupõe que a leitura corresponde a uma relação do ser humano com o mundo, antes de constituir uma relação com a escrita e o texto, e discute como se deve dar este aprendizado.
Regina Zilberman
Doutora em Romanística pela Universidade de Heidelberg (Ruprecht-Karls), fez o pós-doutorado no University College (Inglaterra) e na Brown University (EUA). Atualmente é professora adjunta do Instituto de Letras, da UFRGS, com atuação no Programa de Pós-Graduação em Letras.
Antonio Carlos Xavier
Letramento digital: novas práticas de leitura
Antonio Carlos Xavier mostra a relevância do papel do professor como mediador da aprendizagem no uso de tecnologias digitais com as novas gerações e indica caminhos para que os níveis de letramento sejam ampliados.
Antonio Carlos Xavier
Doutor em Linguística pela UNICAMP e pós-doutor em hipertexto, linguagem e retórica digital pela Universidade de Paris-VIII, França. É professor titular em linguística do Departamento de Letras da UFPE.
Marisa Lajolo
Letramento literário
Marisa Lajolo apresenta o professor como figura-
-chave para que a literatura chegue às mãos, aos olhos e ao coração dos alunos. Segundo ela, a escola é o lugar em que as crianças e jovens devem vivenciar e trocar experiências, para que se tornem leitores autônomos e apaixonados.
Marisa Lajolo
Doutora pela USP em Teoria Literária e Literatura Comparada, sob orientação de Antonio Candido, fez Pós Doutorado na Brown University (EUA) e realizou inúmeros estágios de pesquisa na Biblioteca Nacional de Lisboa, na Biblioteca Saint Genevieve (Paris) e na John Carter Brown Library.
Dayse Gonçalves
A formação do leitor: alfabetização e letramento
Dayse Gonçalves considera que, para além da função de ensinar a ler e a escrever, é responsabilidade da escola dar sentido às leituras realizadas pelos alunos, com o objetivo de que todos se apropriem do ato de ler de forma competente e autônoma. Para isso, sugere procedimentos e possibilidades de trabalho na sala de aula.
Dayse Gonçalves
Mestre em Educação pela PUC/SP, atualmente é orientadora pedagógica na Escola Carlitos, em São Paulo. Atuou como coordenadora pedagógica na Escola da Vila e como formadora no Centro de Formação da Escola da Vila entre 1990 e 2012. Tem experiência em Educação Infantil e Alfabetização e desenvolve seu trabalho com ênfase nas práticas de linguagem, em especial na formação de leitores e literatura infantil.
Kátia Brãkling
A competência leitora nas diversas áreas do conhecimento
Kátia Bräkling trata da importância de toda a comunidade educativa comprometer-se com o desenvolvimento da proficiência leitora e escritora dos alunos, não apenas no que se refere ao letramento exigido para sua área específica, mas também com relação aos múltiplos letramentos.
Kátia Bräkling
Mestre em Linguística aplicada ao ensino de línguas pela PUC/SP, é co-elaboradora dos PCNs de Língua Portuguesa do Ensino Fundamental, membro da Coordenação Nacional do PNLD em ação, parecerista do PNLD e membro da equipe elaboradora das Matrizes Curriculares do SAEB. Também assessora a CENP/Fundação Vanzolini na Rede Saber, em programas de formação continuada.
Christine Fontelles
Espaços de leitura na escola
Christine Fontelles defende que a biblioteca deve ser pensada pela comunidade educativa a partir do projeto político pedagógico e deve refletir o compromisso da escola com a formação integral do aluno. Deve ser, por isso, um espaço privilegiado de leitura, com boa organização, acervo estruturado e atendimento eficiente. Para ela, a sala de aula e a biblioteca atuam de forma complementar.
Christine Fontelles
Graduada em Ciências Sociais com MBA em marketing pela FIA/FEA/USP, é diretora de Educação e Cultura do Instituto Ecofuturo. Criado em 1999, como OSCIP (Organização da Sociedade Civil de Interesse Público).